Maluma fala pela primeira vez sobre acusação de extorsão

Começaram os desdobramentos da acusação de extorsão que envolve Maluma e o empresário britânico Richard Allan Caring. Pela primeira vez, a defesa do colombiano se pronunciou sobre o caso e disse que irá recorrer com veemência na Justiça.

“Vamos apelar agressivamente nos tribunais”, afirma o advogado Richard Wolfe. “O contratante não pode reclamar nem da devolução do adiantamento, nem fazer a solicitação de dinheiro por danos”.

Destaque: 10 fatos que marcaram a música latina no primeiro semestre de 2020

Wolfe disse ainda que caso a demanda não seja favorável irá pedir que o processo corra em tribunais federais, pois envolve pessoas de diferentes nacionalidades e, assim, tentar a mediação.

Entenda o caso

O empresário britânico Richard Allan Caring entrou na Justiça contra Maluma e sua equipe por incumprimento de contrato. Além disso, o multimilionário ainda diz que foi extorquido pelo crew do colombiano no valor de US$ 1 milhão.

+ Leia Mais: Danna Paola e J Balvin – Quem subiu e quem desceu em 2020

De acordo com um jornal de Nova York, a acusação foi apresentada nesta semana em uma corte de Miami. O dono da Caprice Holdings, proprietária da rede de restaurantes The Ivy e dos hotéis Soho Houses, teria contrato o artista para atuar em seu casamento, previsto para o início deste mês.

+ Leia Mais: Fred de Palma anuncia parceria com Anitta em Paloma

O homem de 72 anos queria surpreender sua futura esposa com a atuação ao vivo do intérprete de Felices Los 4, de quem é .

Segundo o periódico, o gerente Walter Kokm, presidente e fundador da WK Entertainment, teria acordado atuar no evento de Caring por um cachê de US$ 500 mil.

+ Leia Mais: Alfonso Herrera bomba na internet após pergunta sobre Gretchen, a rainha dos memes

“Depois que Caring fez depósitos no valor total de US$ 375 mil, a equipe de Maluma o ameaçou com não cumprir o contrato a menos que o empresário pagasse US$ 500 mil adicionais”, disse a advogada Ángela de Céspedes, que cuida dos interesses do empresário.

O contrato também previa o pagamento de um avião privado para o reggaetonero, cinco passagens aéreas de primeira classe e outras 32 na classe executiva, além alojamento em hotéis 5 estrelas para que Maluma e toda sua equipe pudesse viajar.

Em comunicado, a representante legal de Caring explica que o empresário se negou “a cumprir com o pedido de extorsão da equipe de Maluma e solicitou a devolução imediata dos pagamentos no fim de 2019”.

Maluma deve ser intimado a responder judicialmente pelo caso, que corre na Corte de Miami.

X