Eurovision 2016 premia a ucraniana Jamala e decepciona na Itália e na Espanha

O Eurovision 2016 certamente será lembrado no futuro como um dos festivais mais emocionantes dos últimos tempos. Um novo sistema de apresentação dos resultados, com os votos do júri e do público sendo anunciados separadamente, deixou a decisão para o último instante, quando acabou premiando a emotividade da representante da Ucrânia, Jamala, e sua canção de cunho histórico, 1944.

Cantando em uma mistura de inglês e tártaro da Crimeia, a artista de 32 anos canta em 1944 a deportação dos Tártaros da região da Crimeia pela União Soviética de Joseph Stalin. A letra, escrita pela própria cantora, foi inspirada na história de sua Bisavó, Nazylkhan, que tinha pouco mais de 20 anos quando, junto com seus cinco filhos, foi deportada para a Ásia. Uma das crianças não sobreviveu.

Quando Jamala foi escolhida para representar a Ucrânia, houve reclamações de que a canção era de cunho político, proibido pelas regras do Eurovision. As acusações foram refutadas pela organização do festival, que permitiu que ela competisse sem precisar alterar sua proposta.

Assista à performance vencedora:

Público e júri não entraram em acordo

Assim como aconteceu em 2015, os votos foram bastante conflitantes. Para os jurados profissionais, a vencedora, com uma vantagem de quase 120 pontos, foi a australiana Dami In (4º no televoto). Já para o público, a maior pontuação foi para o favorito da noite, o representante da Rússia, Sergey Lazarev (5º para o júri). Segunda colocada nas duas votações, Jamala levantou o troféu na combinação final de pontos: 534 contra 511 de Dami In e 491 de Serguei.

A Bulgária de Poli Genova e a Suécia, dona da casa, com Frans, completam o Top 5. O francês Amir ficou em sexto.

Com a vitória, sua segunda, a Ucrânia ganha o direito de sediar o Eurovision 2017. Com a crise financeira e política e estado de guerra em algumas regiões do país, já existem rumores de que o festival possa acontecer em outro local. A resposta deverá vir nos próximos meses.

Eurovision 2016 tem resultado mediano para Itália e fraco para Espanha

Surpresa na parte de cima da tabela, surpresa também na parte de baixo. Quinta favorita dos eurofãs para vencer o Eurovision e décima nas casas de aposta, Francesca Michielin ficou apenas na 16ª colocação, com 124 pontos, 90 do júri e 34 do público. Os jurados de Espanha e Noruega deram a No Degreee Of Separation sua maior pontuação, 12.

Assista novamente a performance mágica de Francesca Michielin:

Para Barei, a queda foi ainda maior. Se logo depois de sua apresentação ela disparou para o 3º lugar nas casas de aposta, a representante da Espanha amargou no final a 22ª posição, com 77 pontos, sendo apenas 10 do público. Apenas Reino Unido e República Tcheca receberam menos. O júri italiano deu seus 12 pontos a Say Yay.

Assista novamente a performance energética de Barei:

X