Il Divo volta ao Brasil pela primeira vez sem Carlos Marín: “Muita dor”

0
1421
Il Divo volta ao Brasil após 3 anos
Reprodução do Instagram

Três anos separam o último do próximo show do Il Divo no Brasil. Em 2019, o mundo era outro. O grupo também. A turnê que começa a partir de 28 de abril, em Uberlândia, estava originalmente marcada para 2020, pouco antes do setor de entretenimento fechar as portas em função da pandemia de coronavírus.

Destaque: Laura Pausini – Prazer em Conhecer é mais um capolavoro da italiana

A crise sanitária global deixou marcas profundas em David Miller, Sebastien Izambard e Urs Buhler. Em dezembro do ano passado, eles perderam a amizade, a companhia e a voz de Carlos Marín, uma das figuras mais icônicas do quarteto. O espanhol faleceu em meio à tour natalina em Manchester, no Reino Unido, vítima da Covid-19.

Mas o show precisou continuar como um tributo ao amigo e colega de trabalho por 17 anos. Il Divo rebatizou a série de shows e voltou à estrada para homenagear Carlos Marín. Desta vez, com a companhia de Steven LaBrie, barítono americano de origem mexicana, que ajudou a manter a estrutura lírica do repertório.

“Em dezembro, como sabe, perdemos Carlos Marin, que era absolutamente essencial à banda. E muito do desenvolvimento do grupo e do som da música foi por causa da voz de Carlos, por causa da força de sua voz, do poder que ele trouxe, da riqueza de tom que realmente existe em uma voz de barítono como a dele. E, sabe, quando ele faleceu, foi realmente uma época tão louca. Nós, honestamente, não sabíamos como iríamos continuar. Havia tanta dor, havia tanta emoção. E nós realmente apenas tentamos processá-lo um momento de cada vez. Você sabe, nós pensamos… podemos fazer isso? Temos que fazer”, contou Miller, com exclusividade, ao LatinPop Brasil.

“Steven LaBrie é um jovem maravilhoso. Ele tem a mesma idade que tínhamos quando começamos Il Divo. E assim, de certa forma, ele traz uma espécie de juventude e excitação, como nós quatro éramos há 17 anos, quando éramos todos novos nisso. E ele é fã do Carlos há anos, tem uma reverência e um respeito pelo Carlos e pela música que ele criou e sua voz. Eu acho que nós temos muita sorte de tê-lo encontrado e que ele estivesse disposto a cantar nossa, música porque nem todos os cantores de ópera vão cantar repertório que não é do meio, uma música pop. Steven tem uma voz muito forte e poderosa. E tivemos muita sorte em encontrá-lo que ele estava disposto a vir e nos ajudar a criar esse tributo ao Carlos”, seguiu o artista, diretamente do Japão.

Miller revela que, além do “novo membro”, o grupo prepara algo especial para os shows no Brasil. “Vamos trazer algo especial para o Brasil. E eu não quero falar muito sobre isso, mas vai ser algo nos shows brasileiros e só nos shows brasileiros. Fizemos o mesmo tipo de coisa no Japão. Nós temos uma canção que temos cantado para os japoneses em japonês desde o terremoto de 2011, e eles esperam isso de nós. Mas acho que nunca fizemos isso no Brasil, mas é especificamente um presente para vocês”.

E o futuro? A resposta é de quem viu o destino pregando uma peça em seus planos e projetos: “Eu não tenho ideia do que o futuro trará. Eu acho que, se aprendemos alguma coisa a partir desta experiência de perder Carlos, eu acho que a única lição que todos nós podemos tirar é que você não pode prever o futuro, não importa o quanto você tente. Quero dizer, estávamos no Reino Unido. Estávamos prestes a voltar ao que parecia normal e estávamos fazendo os shows de Natal lá fora, e tudo parecia que tudo estava se abrindo de volta para nós. E então a tragédia aconteceu e tudo caiu e então tudo começou a se acumular novamente”, disse um emocionado Miller.

“Quero dizer, houve vários momentos em que eu não sabia como iríamos continuar. Não sabíamos se poderíamos continuar ou muito menos como. E então, de alguma forma, encontramos uma maneira. Agora estamos apenas focando nessa turnê, nesse tributo, a morte do Carlos, e o que isso significa para todos nós. O que acontece além disso? Eu realmente não sei. Acho que há a emoção em poder voltar a ficar juntos, nós três, e ser capaz de fazer essa turnê. E, você sabe, nós vamos ter que descobrir qual será o nosso caminho a seguir. Mas ninguém sabe o que é isso ainda. Então eu acho que nós estamos apenas dar o passo de cada vez e nós continuamos progredindo e continuamos tentando e vemos onde isso nos leva”, finalizou.

Além do show da Arena Sabiazinho em Uberlândia, no dia 28 de abril, Il Divo se apresentará no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, no dia 30 de abril, e no Espaço das Américas, em São Paulo, em 1º de maio.