Conecte com a gente
Null

Entrevistas

Valentina Zenere: ouça a íntegra da entrevista com a vilã de Sou Luna

Publicado

em

Valentina Zenere

Era fim de tarde de quinta-feira, 22 de junho, quando o escritório da Disney na Argentina fez contato com o LatinPop Brasil. A conexão com uma animada Valentina Zenere, prestes a desembarcar no Brasil para o show único de Sou Luna em setembro,  estava pronta.

Valu, como é carinhosamente chamada pelos fãs, tem fala rápida, é simpática e gosta de uma boa conversa. E mais: não foge de assunto polêmico não, como a personalidade dissimulada e difícil de Ámbar Smith, sua personagem na série que conquistou o mundo.

“Eu não quero que ela termine boa, gosto da personalidade dela”, confessou a loira de 20 anos nascida em Buenos Aires.

A jovem também aproveitou o bate-papo para falar sobre sua expectativa para a turnê no Brasil, contar que prefere o casal que forma com Michael Ronda, o Simón em Sou Luna, e as dificuldades que enfrentou para aprender a patinar na composição da personagem.

Além disso, ela confirmou a terceira temporada da produção quando contou que sua música favorita é a que está gravando para a nova fase.

Animados para ouvir o bate-papo na íntegra?

Ouça a entrevista completa com Valentina Zenere, a Ámbar de Sou Luna, ao LatinPop Brasil

Entrevista com Valentina Zenere

Valentina Zenere: Olá, como você está? Bem?

 

LatinPop Brasil: Bem, boa tarde. É um prazer conversar contigo.

 

VZ: Um prazer falar com você também.

LP: Valentina, estamos em uma contagem regressiva para esse show que todos vocês de Sou Luna vão fazer no Brasil. Você já esteve no país alguma vez? Acho que já te vi em alguma foto de praia, mas para show é a primeira vez. Como você se sente e o que você espera do público brasileiro?

 

VZ: Olha, como você disse, no Brasil, as praias eu amo. Sempre vou. A minha família adora o Brasil. É um lugar para onde vou bastante. Estivemos aí há uns anos, quando fizemos a estreia para a imprensa. E já nesse momento estavam eufóricos, não conheciam a história ou os personagens e nem nada. Agora que já está tudo no ar, fazer um show aí.

 

LP: Eu vou te dar um spoiler. No Brasil, Sou Luna é totalmente uma febre. E tem muitas meninas e muitos meninos que estão aprendendo, fazendo aulas de patinagem por causa da série. É uma febre! Como você se sente, chegando tão longe com uma história em um país que nem fala o seu idioma? Como é para você ir além da Argentina?

 

VZ: É uma loucura! Isso um pouco a gente já sabia que ia acontecer com a Disney não somente no país em que vivemos. Mas me parece louco tudo o que acontece. Tenho consciência da sorte e eu não posso estar mais feliz e agradecida ao mesmo tempo. Me dá muita vontade de seguir adiante trabalhando.

 

LP: Vou te fazer uma pergunta muito difícil, porque… Qual é o segredo da série? As músicas, a coreografia, a história, a patinagem… O que para você é o segredo que fez com que Sou Luna se tornasse uma febre mundial?

 

VZ: Olha… Pra mim parece que o segredo está no fato que cada um de nós ama muito o seu trabalho, de verdade. Nós nos damos muito bem, mas por sorte o amor que temos pelo o que fazemos. Eu acredito que isso sempre transparece na tela. As canções são muito boa, o patins também, a história é incrível, tem muito disso. Mas o amor e a vontade que nós colocamos no que fazemos é a chave do sucesso para mim.

 

LP: E como você se sente sendo a vilã? A menina má da série?

 

VZ: Eu fico feliz! Eu sempre digo que se alguém viesse e me dissesse “amo Sou Luna, tudo de novo, mas dessa vez você é a Luna, eu morro antes. Eu sempre diria que não! Eu amo a personagem da Ámbar, eu adoro o quão má ela é. E cada vez ela fica mais má! Eu estava lendo os capítulos da terceira temporada e estou com muita vontade de fazer. Estou… É impressionante, mas não me deixam que te digam sempre coisas muito, muito divertidas. A Ámbar e uma personagem com a qual eu estou aprendendo muitíssimo.

 

LP: Me conte um pouco da sua carreira, desse seu lado cantora. Você também canta profissionalmente ou isso é uma coisa da personagem ou você prefere atuar.

 

VZ: Olha… Na verdade é que se você me pergunta para onde eu quero levar minha carreira, é para a atuação. Eu tenho muita vontade… Não sei… De ganhar um Oscar e atuar em Hollywood. É isso o que eu quero fazer. Com Sou Luna e a Disney, sempre digo que eu gosto muitíssimo de cantar. Então também podia fazer algo com o canto, porque o que tem um cantor, é que tem a possibilidade de fazer shows ao vivo e um ator nem tanto. Então podemos fazer um pouco dos dois.

 

LP: E da série, qual é a sua música favorita?

 

VZ: A minha música favorita da série. Ééééé… Eu não sei! Agora eu estou conectando com as novas canções da terceira temporada e eu estou aprendendo nesse momento e a que eu tenho minha, solo, eu adoro! Eu adoro, adoro, adoro porque ela tem um estilo totalmente novo, mas que eu não posso contar. Mas eu gosto muito, muito de Eres.

 

LP: A Ámbar vai se tornar uma menina boa? Algum dia?

 

VZ: Acho que não! Espero que não! Ela tem uma couraça, tem um coração e passam um monte de coisas. E se ela quiser mostrar, que mostre. Eu me divirto muito fingindo ser má e espero que pelo o menos até o último capítulo ela não fique boa.

 

LP: Seus fãs aqui do Brasil estão perguntando: Matteo ou Simón? Com quem você gostaria que a Ámbar ficasse no final?

 

VZ: Que a Ámbar fique com o Simón! Claro que sim! Simón está apaixonado pela Luna (??). Não dá para ficar procurando o amor onde não existe. Eu acho que o Simón pode conseguir mudá-la. O Simón pode fazer muito bem para a Ámbar.

 

LP: Vamos falar mais um pouco do show. Como é esse show que vocês vão trazer ao Brasil? Há patinação, alguma surpresa para o público brasileiro?

 

VZ: Surpresas sempre teremos. E as vezes surpresas também para nós. Cada vez que fazemos um show, temos que estudar, fazer as coisas todas. Vão surgindo coisas do ao vivo, a energia que as pessoas transmitem, coisas do palco. Sempre acontece alguma coisa, os shows nunca são iguais. Então surpresas teremos com certeza, e o show está muito, muito, muito bom. Conseguimos uma energia muito grande, muito bonita, que dá muita vontade de dançar, momentos mais tranquilos. Têm os patins também. Tem de tudo um pouco. É como uma montanha russa de emoções!

 

LP: É um grande show… Agora duas perguntas dos seus fãs também. Que tipo de música você escuta? O que a Valentina escuta?

 

VZ:  Eu gosto muito. Se eu tivesse que fazer uma música, eu não saberia o que fazer porque eu gosto de muitas coisas. Mas eu tenho escutado muito Selena Gómez, que eu adoro. Eu também gosto muito do The Weekend, mas o Black Eyes Peas são meus favoritos.

 

LP: E também estão querendo saber se foi muito difícil trabalhar com os patins, se isso era algo novo para você, ou se você já praticava como esporte?

 

VZ: Olha, foi totalmente novo para mim e não vou mentir: no começo eu me frustrei muitíssimo. Eu me largava no chão chorando e dizendo que não tinha jeito. Eu não tinha ideia do que era patinagem. E além disso a Ámbar é a rainha da pista então eu também tinha que ser a rainha da pista.  Uma equipe de coreógrafos e de coaches de patins muito, muito bons  e conseguimos aprender um monte de coisas. Hoje eu patino.

 

LP: Eu não vou tomar mais do seu tempo. Eu só te deixo meus melhores desejos. Eu tenho uma filha de oito anos que é viciada em Sou Luna e já está contando os dias para ver vocês. Eu adoraria se você pudesse deixar uma mensagem aos seus fãs do Brasil.

 

VZ: Ai, que linda! Mande um beijo muito grande para a sua filha, antes de mais nada. E eu gostaria de dizer muito, muito obrigada.  Eu amo vocês de verdade. Obrigada.

Entrevistas

Paty Cantú: “Entrar no reggaetón é uma mensagem de empoderamento”

Publicado

em

Natural é o novo single de Paty Cantú

Se você esperava um disco de Paty Cantú com Valiente, Amor Amor Amor e Rompo Contigo, saiba que as músicas entrarão como bônus track do próximo projeto discográfico da mexicana, #333, ainda sem data de lançamento divulgada.

O primeiro single oficial do álbum é #Natural, lançado no último dia 10. A música é resultado de anos de experiências culturais e musicais que transformaram a cantora desde o seu último trabalho, o Drama Queen En Vivo, de 2014.

Veja #Natural, o novo clipe da Paty Cantú (feat Juhn)

Assim como anterior, o novo CD também é um live. E com várias participações especiais ainda mantida em sigilo pela artista de 33 anos, nascida em Houston, mas criada em Guadalajara, no México.

“Tudo evolui na vida (…) Fazer reggaetón é também uma mensagem de empoderamento e tem tudo a ver com a fase que vivo”, disse Patrícia, que intercalava cada resposta com uma sonora risada.

O projeto foi gravado em sua terra natal e é bastante representativo em termos de raízes, de encontros e de descobertas. E ela é antenada. Ao falar de Brasil, citou Anitta como um exemplo de mulher de sucesso na música.

“Ela é lindíssima e muito talentosa (…) O Brasil teve várias bandeiras, de vários gêneros, mas agora é a vez dela”, disse a intérprete da inesquecível Corazón Bipolar.

Ela ainda lembrou a mensagem que mandou em português que levou os fãs brasileiros ao delírio no ano passado. “Foi uma maneira de me comunicar (…) Eles saem do Brasil e vão à Argentina, ao México para me ver. Acho que chegou a hora de eu retribuir e ir até vocês”.

Ouça a íntegra da entrevista de Paty Cantú ao LatinPop Brasil

Continuar Lendo

Entrevistas

Exclusivo: Paty Cantú fala sobre novo disco, reggaetón e Anitta

Publicado

em

Paty Cantú lança novo single: #Natural

Se existe uma coisa que nenhum artista latino consegue disfarçar é a alegria de poder trazer sua arte ao Brasil. E foi assim que Paty Cantú atendeu ao telefone na tarde desta sexta-feira (10), dia do lançamento de seu novo single, #Natural, sua primeira incursão pelo reggaetón.

A artista de 33 anos, nascida em Houston, mas criada em Guadalajara, no México, é pura simpatia.  Contou que o flerte com o gênero urbano é uma consequência natural das experiências culturais e musicais que viveu nos últimos anos. E é com esse som que ela vai apresentar #333, um disco ao vivo com muitas participações especiais, que ela ainda mantém em segredo.

“Tudo evolui na vida (…) Fazer reggaetón é também uma mensagem de empoderamento e tem tudo a ver com a fase que vivo”, disse Patrícia, que intercalava cada resposta com uma sonora risada.

O projeto foi gravado em sua terra natal e é bastante representativo em termos de raízes, de encontros e de descobertas. E ela é antenada. Ao falar de Brasil, citou Anitta como um exemplo de mulher de sucesso na música.

“Ela é lindíssima e muito talentosa (…) O Brasil teve várias bandeiras, de vários gêneros, mas agora é a vez dela”, disse a intérprete da inesquecível Corazón Bipolar.

Ela ainda lembrou a mensagem que mandou em português que levou os fãs brasileiros ao delírio no ano passado. “Foi uma maneira de me comunicar (…) Eles saem do Brasil e vão à Argentina, ao México para me ver. Acho que chegou a hora de eu retribuir e ir até vocês”.

Estamos na torcida, Paty Cantú!

A entrevista completa com Paty Cantú você confere no LatinPop Brasil na próxima semana!

Veja #Natural, o novo clipe da Paty Cantú (feat Juhn)

Continuar Lendo
Anunciantes

Playlists

X