Connect with us

Entrevistas

Riki: “Adoraria gravar com o Luan Santana”

Published

on

Riki fala pela primeira vez com o Brasil

Ele tem menos de dois anos de carreira, 26 de vida. Mas alguns dias na Itália te dão a sensação de se tratar de um veterano da música, tal o número de singles e clipes diferentes nas rádios e na TV.

Riccardo Marcuzzo, ou apenas Riki, venceu a categoria de canto do Amici di Maria de Filippi em 2017 para explodir os charts italianos. Conseguiu e quis mais: desbravar o mundo. Para isso, abraçou o reggaetón, o novo pop, e se uniu a ninguém menos do que a CNCO, sensação da música latina.

Resultado? Não apenas conseguiu ficar conhecido entre os híspano-hablantes, como chegou a romper a fronteira do mercado brasileiro graças à colaboração com a boyband, Dolor de Cabeza (Mal Di Testa, em italiano).

Sempre na vanguarda, o LatinPop Brasil conversa com o rapaz nascido em Segrate, na província de Milão, em 4 de fevereiro de 1992. Na entrevista concedida por e-mail, o artista fala da paixão pelo Brasil, futebol, suas referências musicais e muito mais!

Confira a entrevista exclusiva com Riki, o italiano que é sensação latina

A tua carreira é um fenômeno! Estive na Itália em dezembro e no mês passado e você toca sem parar, dos singles antigos aos novos, é impressionante como o público italiano te abraçou. Me lembro de tomar café da manhã sempre acompanhada por alguma canção sua nos hotéis. O que você, Riki, acha que trouxe de novo para o mercado musical italiano?
Eu me sinto sortudo por tudo isso, só posso ficar impressionado quando essas coisas acontecem. Sempre tentei fazer minha música, escrevo melodia e letra. Faço música quando sinto que posso expressar e dizer algo importante e relevante para mim, e acredito que isso está chegando ao meu público.
A gente estava acostumado a te ouvir em super baladas como Perdo Le Parole ou Aspetterò Lo Stesso, ou em canções mais pop. De repente, veio essa bomba: uma colaboração com a CNCO e um reggaetón? Por que decidiu se aventurar em um novo gênero, novo idioma…?
Minha equipe e eu queríamos uma colaboração internacional, então fomos à Sony e pedimos ajuda. CNCO estava no topo da minha lista. Já tinha Dolor de Cabeza escrita, mas em italiano. Após algumas semanas, avisaram que a CNCO tinha topado fazer a música comigo. Começamos a trabalhar imediatamente na letra em espanhol, e fomos a Miami para gravar com eles. O feeling com eles foi ótimo desde o início, depois disso eles vieram à Itália e passamos tempo juntos. Tocamos juntos no Wind Summer Festival em Roma, o mais importante festival de TV do verão, e ganhamos! Foi uma grande satisfação para todos nós. Estou feliz que a música esteja chegando a tantos países, e agora orgulhoso por ter o Brasil descobrindo minha música.
O mercado diz que o reggaetón é o novo pop. Você concorda? Pretende seguir por esse caminho?
Reggaetón tem uma grande sorte, as mulheres adoram! Quando isso acontece, você já tem metade do caminho… É um gênero que eu realmente gosto, e definitivamente é algo que quero fazer mais no futuro.
Como foi a experiência de gravar com a CNCO?
Como eu disso, foi maravilhoso. São garotos ótimos, talentosos e gentis. Tenho a sorte de ter feito minha estreia internacional com eles.
O que te deixa com Dolor de Cabeza, como a canção?
Dor de cabeça é algo que quando jovens passamos muitas vezes. Quando você gosta de uma garota e ela não te nota… Uma bagunça! E se ela dá a desculpa de que está com dor de cabeça, você perde as esperanças.

Depois do Amici, você lançou o álbum Mania e agora tem o Live & Summer Mania, seu primeiro disco ao vivo. Já podemos esperar um novo projeto discográfico inédito?
Agora preciso de tempo para escrever músicas e tirar uma pausa. São dois anos sem parar um dia. Não posso reclamar, porque foi uma experiência incrível, mas para escrever novas músicas você precisa liberar sua mente e se concentrar só nisso.
A gente brinca por aqui que você é uma máquina de lançar singles. Foram 5 em 2017 e 4 neste primeiro semestre de 2018. Já queremos saber quando vai vir o próximo!
Se olho para trás, é incrível o que fizemos, ainda não posso acreditar. Por enquanto preciso de tempo para respirar, antes de uma nova aventura.
Qual é o sonho que você ainda pretende realizar na sua carreira?
Um dos meus sonhos é ir ao Brasil e levar minha música até aí. Nunca estive aí, e sempre disse para mim mesmo: “Um dia vou finalmente conhecer o Brasil”.
Qual é a sua referência musical?
Muita música italiana, gente como Lucio Battisti, Tiziano Ferro e Cesare Cremonini. E também pop internacional como Justin Bieber, Timberlake, etc.
Precisamos confessar que ficamos todos apaixonados pelo seu português naquela ID. Conta para a gente tudo o que você conhece sobre a nossa cultura, sobre a nossa música…
A mulher do meu manager é brasileira, então ela me ajudou muito com as pronúncias. Além disso o português é um idioma maravilhoso, muito musical. Tenho fascínio pela cultura e história musical de vocês. E, claro, admiro muitos jogadores de futebol. Jogo futebol e há gerações de jogadores incríveis do Brasil. Fiquei triste por não terem chegado à final da Copa.

Gostaria de fazer algo para o mercado brasileiro? Dueto com alguém daqui! E, principalmente, já estamos te esperando por esses lados…
Adoraria! Mal posso esperar, talvez com Luan Santana, como fez a CNCO. Adorei como ficou “Mamita“.
Deixe uma mensagem para os fãs.
Brasil, estou chegando! Mal posso esperar para conhecer um dos países mais bonitos do mundo!

Scopri l’intervista in italiano

La tua carriera é da fenomeno! Siamo stati in Italia a dicembre e a giugno e le tue canzoni suonavano non stop, i singoli antichi, quelli nuovi… Fa impressione vedere come sei stato abbraciato dal pubblico italiano. Si faceva colazione nell’albergo e c’era una canzone tua che suonava. Cosa credi di aver portato di nuovo al mercato musicale italiano?
Mi sento molto fortunato, mi fa impressione quando queste cose succedono. Ho sempre provato a fare la mia musica, scrivo musica e parole. Faccio musica quando sento di potere esprimere e dire qualcosa di importante e rilevante per me, e credo che questo arrivi al mio pubblico.
Ci eravamo abituati a sentirti in ballad come Perdo Le Parole o Aspetterò lo Stesso, oppure in canzioni piú pop. Poi subito una bomba: una collaborazione con CNCO e un reggaetón! Perché hai deciso di fare questa avventura in un altro genere, altro idioma…?
Mio team ed io volevamo una collaboration internazionale, quindi abbiamo chiesto aiuto a Sony. CNCO era la prima della lista. Avevo Dolor de Cabeza giá scritta in italiano. Dopo qualche settimana ci hanno detto che CNCO voleva registrarla con me. Abbiamo subito iniziato a lavorare sul testo in spagnolo, e siamo andati a Miami per registrarla con loro. C’é stato feeling dall’inizio, poi sono venuti in Italia e abbiamo speso tempo insieme. Abbiamo suonato insieme all’Wind Summer Festival a Roma, il piú importante festival televisivo dell’estate, e abbiamo vinto! É stata una soddisfazione immensa per tutti noi. Sono felice che la canzone stia arrivando a cosí tanti paesi, e adesso fieri di avere il Brasile che scopre la mia musica.
Dal mercato si nota che il reggaetón é il nuovo pop. Sei d’accordo? Ti vedi per questa strada?
Reggaeton ha una fortuna: piace alle donne! Quando questo succede, sei giá a metá strada… É un genere che mi piace tanto, e sicuramente é qualcosa che voglio fare ancora in futuro.
Come é stata l’esperienza di registrare con CNCO?
Come avevo detto, é stato meraviglioso. Sono grandi ragazzi, hanno talento e sono gentilissimi. Ho avuto fortuna di fare il mio debutto internazionale con loro.
Cosa ti lascia con Dolor de Cabeza (mal di testa) come la canzone?
Mal di testa é qualcosa che hai tante volte quando sei giovane. Quando ti piace una ragazza e lei non ti nota… Un casino! E poi se ha la scusa del mal di testa… sei proprio perso.
Dopo Amici hai lanciato Mania e adesso Live & Summer Mania, il primo album live. Possiamo aspettarci un novo progetto discografico inedito?
Adesso ho bisogno di tempo per scrivere canzoni e fare una pausa. Sono due anni senza un giorno di riposo. Non posso lamentarmi, perché é stata una esperienza incredibile, ma per scrivere nuove canzioni devi liberare la mente e concentrarsi solo un questo.
Tra noi di LatinPop diciamo che sei una macchina di singoli. Cinque nel 2017 e giá 4 nel 2018. Il prossimo?
Se guardo indietro, é incredibile quello che abbiamo fatto, non ci posso credere. Per adesso ho bisogno di tempo per respirare, prima di una nuova avventura.
Quale sogno vuoi ancora realizzare nella tua carriera?
Uno dei miei sogni é venire in Brasile e portare lí la mia musica. Non ci sono mais stato, ed ho sempre detto a me stesso: “Un giorno finalmente andró a conoscere il Brasile”.
Quali sono i tuoi riferimenti musicali?
Molta musica italiana, gente come Lucio Battisti, Tiziano Ferro e Cesare Cremonini. Ed anche pop internazionale come Justin Bieber, Timberlake, ecc.
Dobbiamo ammettere… il tuo portughese ci ha impressionati in quella ID! Raccontaci cosa conosci della nostra cultura, la nostra musica…
La moglie del mio manager é brasiliani, quindi mi ha aiutato molto con la pronuncia. E poi il portoghese é un idioma meraviglioso, molto musicale. Sono fascinato dalla vostra cultura ed ereditá musicale. E, certo, ammiro tanto calciatori. Gioco a calcio e ci sono generazioni di calciatori incredibili in Brasile. Sono rimasto triste perché non siete andati alla finale del Mondiale.
Ti piacerebbe fare qualcosa per il mercato brasiliano? Una collaborazione forse… Giá ti stiamo aspettando da queste
Mi farebbe tanto piacere! Ci aspetto tantissimo, forse con Luan Santana, come ha fatto CNCO. Mi piace molto “Mamita”.
Lasci un messaggio ai tuoi fans in Brasile!
Brasile, arrivo! Spero di conoscere presto uno dei paesi piú belli del mondo!

Entrevistas

Luis Fonsi: “Novo disco deve chegar entre janeiro e fevereiro”

Published

on

Luis Fonsi fala sobre Brasil, novo disco e Imposible

“Feliz, feliz”. Foi assim que Luis Fonsi começou o bate-papo com o LatinPop Brasil no início da tarde desta sexta-feira, 19 de outubro, data que marca a estreia de Imposible, uma canção que mescla um pouco das várias facetas do artista e foi pensada para o timbre de Ozuna, seu companheiro no novo single.

“É preciso se reinventar sempre (…) Eu queria dar um toque mais romântico à canção e escrevi pensando na voz do Ozuna, que tem esse timbre mais melódico”, contou o porto-riquenho por telefone.

Perguntado sobre o título, o homem de mais de cinco bilhões de views e sete recordes registrados no Guinness Book, foi enfático: “Nada é impossível”.

Imposible é a quarta faixa que o artista de 40 anos apresenta daquele que será seu próximo projeto discográfico. E para quem está contando os dias para ouvir o álbum completo, ele deixou uma dica e tanto: “O lançamento deve acontecer entre o fim de janeiro e fevereiro”.

Antes, o astro lançou o fenômeno Despacito, Échame la Culpa e Calypso. O hit o transformou em ídolo também no Brasil, país ao qual ele quer voltar em breve.

“Sempre disse que o Brasil era um grande desafio e eu quero mais. Quero voltar mais vezes, amei o público, a cultura, a música. Quero voltar logo”, finalizou Fonsi, revelando que além de Eros Ramazzotti, com quem gravou um dueto para o álbum Vita Ce N’è, tem uma canção a ser lançada com a banda Clean Bandit, do sucesso Rockabye.

O áudio completo da entrevista você confere na próxima semana no LatinPop Brasil

Ouça Imposible, o novo single de Luis Fonsi e Ozuna

Letra de Imposible – Luis Fonsi feat Ozuna

Fonsi (¡Ay!) 
Eso que te falta cuando estás con él 
Que te mire y que te haga sentir mujer 
No te mientas que él nunca te hará el amor 
Como yo, como yo (Ozuna) 
Guarda tu secreto aquí en el corazón 
De cuando mi boca se perdió en tu piel (wuh) 
No hay que serle fiel cuando ya no hay amor, no hay amor 

[Coro: Luis Fonsi, Ozuna] 
Es imposible que te quiera como yo (no) 
No hay nadie que te quiera como yo (como yo) 
Déjame que te cambie la suerte 

Es imposible que te bese como yo (no) 
No hay nadie que te bese como yo (como-como yo) 
Para mí es imposible perderte 

[Post-Coro: Luis Fonsi] 
Y así, na’ má’, me enamoré, eh-eh-eh-eh 
De esa carita que no tiene nadie 

Y así (ah), na’ má’ (ah), me enamoró, oh-oh-oh-oh 
Quisiera que esta noche no se acabe 
Es imposible que te quiera como yo (baby, como-como) 

[Verso: Ozuna, Luis Fonsi & Ozuna, Luis Fonsi] 
Ozuna (jaja) 

Te juro, nadie va a quererte como yo lo hago 
Dios mío que me perdone, pero si es pecado 
Solamente quiero morir a tu lado 
Y hacerte sentir to’ lo que te hacía (ouh) 
Juré que aquel día, nunca olvidaría, me dijiste que volvía’ 
Pero yo me lo creí, sin saber que tú sabía’ 
Pero te volví a tener, la vida es una ironía (oh-oh) 
To’ lo que te hacía 
Juré que aquel día (oh-oh-oh), nunca olvidaría, me dijiste que volvía’ 
Pero yo me lo creí, sin saber que tú sabía’ (uoh-oh, uoh-oh) 
Pero te volví a tener, la vida es una ironía (uoh-oh-oh) 

[Coro: Luis Fonsi, Ozuna] 
Es imposible que te quiera como yo (como yo) 

No hay nadie que te quiera como yo (como yo) 
Déjame que te cambie la suerte (eh-eh) 
Es imposible que te bese como yo (ouh-ouh) 
No hay nadie que te bese como yo (como-como yo) 
Para mí es imposible perderte 

[Post-Coro: Luis Fonsi] 
Y así, na’ má’ (ah), me enamoré, eh-eh-eh-eh (oh) 
De esa carita que no tiene nadie 
Bailando aquí en el medio de la calle (no-no) 
Y así (ah), na’ má’ (ah), me enamoró, oh-oh-oh-oh 
Quisiera que esta noche no se acabe 
Es imposible que te quiera como yo 

[Outro: Luis Fonsi, Ozuna] 
Ey (jajaja), báilalo, báilalo 
Fonsi 
Eh-eh-eh-eh 
Ozuna 
B.A 
Oh no, oh no 
Dímelo Vi 
Oh-oh-uoh-uoh 
Oh-oh-oh-oh, baby 
Quisiera que esta noche no se acabe 
Es imposible que te quiera como yo 

Continue Reading

Entrevistas

Sebastián Yatra fala sobre Brasil e sucesso. Ouça a íntegra da entrevista!

Published

on

Entrevista exclusiva com Sebastián Yatra

Sebastián Yatra é um dos artistas favoritos da nova geração da música latina por aqui. Na manhã de terça-feira (28), ele conversou com o LatinPop Brasil e, mesmo com a ligação cortando em determinados momentos, sua empolgação pelo sucesso em território brasileiro era sentida à distância.

Mais ainda ao ser informado que o país é o 14º na lista dos que mais acessam seu conteúdo no YouTube, à frente de alguns hispano-hablantes, como República Dominicana, por exemplo, ou da Itália, onde já há uma forte promoção de seu trabalho.

“Ui, não sei [porque o Brasil gosta do meu trabalho e ri] Eu quero ir logo, quero conhecer esse país, meus fãs daí e iniciar esse novo capítulo na minha história”, disse Yatra, empolgado.

+ Leia Mais: Confira Contigo Siempre, a parceria do colombiano com Alejandro Fernández

O inusitado: parceiro da banda Fly em Traicionera no remix em português e de Ivete Sangalo em Yo Te Vine A Amar, ele revelou que sempre ouviu músicas no nosso idioma. Mas se engana quem acha que ele vai pelo caminho tradicional de citar Tom Jobim ou Caetano Veloso, os clássicos produtos de exportação musical do Brasil. Yatra é fã de Victor e Léo.

“A música é uma linguagem sem fronteiras, fala pelos instrumentos, pela melodia. Eu sempre ouvi muito o trabalho de Victor e Leo em português”.

As novidades não param por aí: chega em breve um dueto com Alejandro Fernández para colocar mais tempero em uma carreira recheada de colaborações estelares e inusitadas. E quem falta nessa lista?

“Muita gente. Adoraria trabalhar com Luis Fonsi, Enrique Iglesias, J Balvin, Anitta (que eu adoro)”, revelou um empolgadíssimo Sebastián Yatra.

Para finalizar, Ya No Tiene Novio, o single ao lado de Mau y Ricky que está conquistando o mundo, está fora da tracklist de Mantra, seu primeiro álbum. Vem disco novo por aí?

“Mais para frente. Mantra é o meu primeiro capítulo, é uma compilação de tudo o que fiz até hoje”

Ouça a íntegra da entrevista com Sebastián Yatra

Continue Reading
Advertisement

Playlists

Advertisement
X