Connect with us

Entrevistas

Marco Mengoni lança Atlantico e diz: “Vanessa da Mata é uma força da Natureza”

Published

on

Marco Mengoni lança Atlantico, seu novo álbum

Alguns artistas são superlativos. E o recurso linguístico de intensidade vai além do talento. É difícil lembrar de um disco do Marco Mengoni que tenha sido lançado assim… como um álbum qualquer. Mas, com Atlantico, ele se superou.

Desde a madrugada de quinta-feira, o italiano vem promovendo uma série de eventos em Milão para apresentar seu novo trabalho. A estação de trem central da cidade, por exemplo, foi palco de um showcase privado. Nenhum transporte chegava ou saía. Em um dos pontos mais movimentados da capital da Lombardia, apenas a voz de Mengoni ecoava.

Na manhã seguinte, uma exposição dedicada a apresentar faixa a faixa antecedeu a coletiva de imprensa de apresentação do CD. Cada sala representava uma das músicas do disco. Ele ainda teve fôlego para entrevistas exclusivas, como a que você lerá a seguir concedida ao LatinPop Brasil, que esteve na Itália para acompanhar todo o festival de estreia de Atlantico, que chega ao mercado nesta sexta-feira, 30 de novembro, com um presente brasileiro: dueto com Vanessa da Mata.

O álbum, aliás, é uma excelente “salada” musical, fruto de um período de introspecção e viagem que resultaram no que é, sem dúvida, o melhor projeto discográfico do artista de Ronciglione. De salsa ao fado, de sons modernos como Voglio, de baladas com o selo Mengoni como Hola, de mensagens fortes como Muhammad Ali ou Dialogo Tra Due Pazzi, é difícil encontrar algum track mediano.

Um artista à frente de seu tempo que sonha em vir ao Brasil. Diz ter medo de chegar e nunca mais querer voltar para casa. Um artista com fama de introspectivo, mas que não tira o sorriso do rosto para falar de Atlantico. Que chorou por diversas vezes ao falar do trabalho de sua equipe e do seu próprio cansaço emocional por três longos anos de construção do álbum.

Um artista como poucos. Vida longa, Marco Mengoni!

Entrevista exclusiva com Marco Mengoni

LatinPop Brasil: Geralmente, eu sempre pergunto aos meus entrevistados o que eles conhecem de música brasileira e com quem fariam um dueto. Atlantico já veio com essa surpresa: um dueto com a Vanessa da Mata, ao lado da Selton, em Amalia. Ela é super querida do público brasileiro. Como você chegou até ela, como foi essa escolha?
Marco Mengoni: Boom, surpresa! Me adiantei! (risos). Faz três anos que conheci Boa Sorte e me encantei com a voz dela. Aí escrevi uma música que fala sobre Amália Rodrigues, que fala de fado, de uma mulher muito forte, e eu quis vestir essa letra com dois artistas brasileiros: a Vanessa da Mata e também o grupo chamado Selton, que vem de Porto Alegre. Assim, vesti de “brasileiro” esse tema dedicado ao fado português, sem fronteira linguística ou de cultura.

LP: Então, vamos fazer o seguinte: o Brasil ama música italiana. E esse dueto provavelmente vai te abrir portas por lá. Se apresente aos brasileiros que ainda não têm o privilégio de te conhecer. Quem é o Marco Mengoni?
MM: Espero! (aumenta o tom de voz) Espero ir ao Brasil o mais rápido possível, sempre foi meu sonho. Tenho medo de andar pelo Brasil, porque tenho medo de querer ficar ali para sempre, de olhar para casa e dizer “Tchau a todos”. A Vanessa me convidou para a sua casa como amigo, para ser seu hóspede. A música foi gravada em Lisboa e ela é uma força da Natureza. Uma simpatia, uma energia, queria ter um porcento da sua energia. Dizer ao Brasil quem eu sou, seguramente a minha música diz mais. Sou apenas um rapaz de braços abertos, pronto para partir quando o Brasil me chamar. Eu estarei disponível e pronto para ver tanta beleza.

LP: Atlantico é uma viagem de sons e ritmos que começou surpreendendo com essa Buona Vita, uma música tão leve, fresca, que lembra até um pouco o nosso samba com outros gêneros latinos. E Voglio, uma música que está no outro extremo, moderna, radiofonica. Eu te pedi para se apresentar, agora apresente esse disco surpreendente a cada faixa. É o seu projeto mais internacional?
MM: Certamente, se a gente for falar de projeto internacional, sim. Viajei tanto, fui a tantos lugares banhados pelo Atlântico, é o primeiro disco com tantas influências diferentes. Me apaixonei pelas explicações musicais que me deram de cada lugar, me explicaram tudo, por exemplo, sobre a batucada do samba tradicional e também do mais moderno. Seguramente, é o meu disco mais aberto às influências de outros lugares.

LP: Hola é a minha música favorita. Qual é a sua? E por quê?
MM: Escolher uma favorita é um pouco difícil, depende do momento. Hola é incrível, se fosse hoje, agora, escolheria a que fala do meu renascimento: Rivoluzione.

LP: Tenho uma filha de nove anos que te ama. Minha mãe te ama. Eu amo suas músicas! Qual é o segredo para chegar aos corações de tantas gerações?
MM: Boh (expressão típica italiana que significa “não faço ideia). Não sei! (risos) Não sei, não sei como responder a essa pergunta. Mas creio que chegar a todas as gerações seja relacionado à essência, de ser uma pessoa. Mas é bom perguntar a elas! (risos)

LP: Pode deixar uma mensagem aos seus fãs brasileiros?
MM: Aos meus fãs brasileiros, sempre vejo vocês comentando, traduzem as músicas, não vejo a hora de escutar samba, ouvir a batucada, e o que mais posso dizer: muito obrigado por tudo (aqui arranhando o português). Um beijo grande!

Ouça Atlantico, o novo álbum de Marco Mengoni

Entrevistas

Piso 21: “Queremos gravar com a Iza no Brasil”

Published

on

Piso 21 fala sobre Brasil e o novo single, Te Vi

Dia de estreia de Te Vi, dia de promoção para o Piso 21. Foi um empolgado El Profe, apelido de Juan David Huertas, de 34 anos, que teve a missão de falar para o Brasil sobre o novo single.

Ele confirmou que se trata do início de uma nova etapa para a banda. 

“Ubuntu encerrou um capítulo muito bonito na nossa história, com vários singles de sucesso como Me Llamas, Te Amo, Besándote. Agora começamos uma nova história, com um som diferente do que fizemos antes. Neste single, quisemos mostrar algo bem típico da Colômbia, a champeta (…) com um vídeo que mostra o que somos, simples, com muita dança”, disse o músico.

A conversa logo enveredou para o Brasil. Amigos de Anitta, o quarteto acha a brasileira uma grande embaixadora da nossa cultura contemporânea, mas o sonho de um dueto está nas conversas com a gravadora:

“Iza. Vimos a performance incrível dela no Grammy Latino e conversamos com a nossa gravadora, a Warner Music, sobre ela. Queremos muito gravar com ela aí. Também gostamos muito do Luan Santana”.

El Profe se disse impressionado com a quantidade de mensagens que chegam dos fãs brasileiros e ressaltou que, antes de vir promover seu trabalho, o grupo precisava de uma base sólida musical.

“Nós temos muito respeito pelo Brasil, pela cultura e pela música de vocês. É um desafio chegar aí e precisávamos de todo um trabalho antes de ter o país como meta. Já fizemos esse trabalho. Agora é hora de ir. Não sei quando, nem para qual região, mas é nossa vontade levar o novo trabalho ao seu país”.

E se Iza é o dueto brasileiro sonhado, para quem já colaborou com tantos artistas, de gêneros tão diferentes ao longo da carreira, o objetivo mundial é ousado.

“Bruno Mars. Se pudesse escolher alguém, seria ele”, disse El Profe.

Machismo no gênero urbano, as letras românticas do grupo, o tema boyband e como eles se dividem sendo três vocalistas, além de uma carinhosa mensagem ao Brasil, também estiveram na pauta.

A entrevista na íntegra com El Profe, representante do Piso 21, você confere na próxima semana no LatinPop Brasil.

Veja Te Vi, o clipe do novo single do Piso 21

Continue Reading

Entrevistas

Brasil, novo disco e Te Esperé: ouça a entrevista exclusiva de Jesse y Joy!

Published

on

Te Esperé é o single que dá a largada na nova fase de Jesse y Joy




Se ano passado, para promover o lançamento de 3 A.M com Gente de Zona, apenas a parte masculina do dueto estava do outro lado da linha, nesta terça-feira, 4 de dezembro, Jesse y Joy atenderam à reportagem do LatinPop Brasil diretamente do México para falar sobre Te Esperé, o single que chegou às plataformas digitais no último dia 23 de novembro.

Oficialmente, o tema abre a promoção do próximo álbum dos irmãos Huerta, colocando fim às especulações de que eles ainda trabalhariam em uma reedição de Un Besito Más.

“Se tudo sair como planejamos, o novo álbum chega ainda em 2019. (…) Queremos percorrer o mundo com ele, incluindo o Brasil. É um sonho. Eu sei que vai acontecer mais ou mais tarde. Mais cedo do que tarde, diria”, falou uma animada Joy.

A conversa passou pelo novo momento da música latina em nível global e até pela polêmica do reggaetón, misoginia e machismo.

“Não acredito que seja algo específico de um tema. Se a gente parar para ouvir, até alguns boleros, lá no passado, tinham letras misóginas e as pessoas não se davam conta. É algo que devemos lutar contra sempre porque é um problema social”, completou a artista, seguida o coro do irmão:

“Nós sempre temos que estar de acordo antes de lançar uma canção e é possível fazer reggaetón com boas letras, o momento pop do gênero prova isso”, falou Jesse.

Jesse y Joy falaram ainda sobre a inspiração ao compor Te Esperé, qual seriam os duetos de sonho dos dois e se voltariam a se aventuram no reggaetón.

Ouça agora a entrevista na íntegra com Jesse y Joy

Veja Te Esperé, o clipe do novo single de Jesse y Joy

Letra de Te Esperé, novo single de Jesse y Joy

Cuando se apaga el amor
El corazón se queda en llamas
Cuando se acaba, se acabó
No hay refugio en las palabras
Es una herida que no sana

Te esperé, llegué a sentir que me moría
Te esperé como la luna espera el día
Lo intenté, pero continuó la vida
Te esperé, pero el tiempo cerró la herida

Cuando te encuentra el amor
Olvidas todo lo vivido
Ya no te detiene el temor
De pronto nada está perdido
Aunque no tenga sentido

Te esperé, llegué a sentir que me moría
Te esperé como la luna espera el día
Lo intenté, pero continuó la vida
Te esperé, pero el tiempo cerró la herida

Oh-oh-oh
Oh-oh-oh
Oh-oh-oh
Oh, no, no, no, no (Oh-oh-oh)
Oh-oh-oh

Te esperé, llegué a sentir que me moría
Te esperé como la luna espera el día
Lo intenté, pero continuó la vida
Te esperé, pero el tiempo cerró la herida

Te esperé, pero alguien más llegó a mi vida




Continue Reading
Advertisement

Playlists

Advertisement
X